Cantos da Terra - Tradições portuguesas.
Personagens carismáticos da história de Portugal
Listagem simples
Listagem com fotografia

20 Personagens + lidos
20 Personagens - lidos

O seu donativo ajuda-nos a manter as tradições portuguesas online
Um espaço de consulta gratuita há mais de 18 anos.
Clique para ligar rádio
- Poderá continuar a navegar.

 
 • Letras de: Luís Represas.

2564 letras disponíveis para consulta

(estas letras no seu site...clique aqui!)
 
««« Voltar | Versão de impressão Versão para impressão
 
Luís Represas - Enquanto dormes
Letra de: Luís Represas
Música de: Luís Represas
 
dizer toda a verdade enquanto dormes
mesmo se a confessei quando desperta
tem sabor ainda a mais verdade
pois tens todas as portas mais abertas.

é como se ao postigo me encostasse
e ele de mal fechado me sorrisse
e lá dentro uma palavra entrasse
e num murmúrio aquela porta abrisse

quem quer saber cedo demais
o encanto morre pela certa.
dormindo assim em paz
deixo-te o bem e o mal,
e o que a vida fizer de nós.

o silencio envolve os passos da certeza
que transporta as confissões mais arrojadas.
que são boas -já sabias- mas agora
semearam-te surpresas na entrada.

a força das palavras vem das estrelas
ou de algo mais além p´ra lá do céu.
quando dormes acompanho a luz das velas
que te contam mais segredos do que eu.
 
 
««« Voltar | Versão de impressão Versão para impressão
 
 
Outras letras de: Luís Represas
• 125 azul
• A hora do lobo
• A marca
• A última festa
• A vez mais próxima do fim
• Acontece
• Ainda podes voar
• Ando em busca das palavras
• Ao canto da noite
• Ao fim ao cabo
• Aqui não me parece
• Às vezes
• Às voltas
• Assalto (ao beijo armado)
• Ausência e tu
• Benção de ser homem
• Chave dos sonhos
• Cinco estradas
• Com um desejo só
• Da próxima vez
• Do fundo do tempo
• E foi Dezembro
• Em frente do sol
• Enquanto
• Enquanto dormes
• Eu vi
• Falei demais
• Feiticeira
• Fogo de vista
• Foi como foi
• Fora de tempo
• Guaguancó y fado
• Imortais
• Libre
• Linha da frente
• Mariana
• Não é por castigo
• Não me atrevo
• Não ponhas o vestido
• Neva sobre a marginal

 
 
O que anda a cavalo vive pouco; e o que anda a pé, contam-no por morto.


 

 

© 2003-2024 Cantos da Terra - Todos os direitos reservados.
15828701 páginas visitadas - 61 visitantes ligados
Contacte-nos