Cantos da Terra - Tradições portuguesas.
Personagens carismáticos da história de Portugal
Listagem simples
Listagem com fotografia

20 Personagens + lidos
20 Personagens - lidos

O seu donativo ajuda-nos a manter as tradições portuguesas online
Um espaço de consulta gratuita há mais de 18 anos.
Clique para ligar rádio
- Poderá continuar a navegar.

 
 • Letras de: Rui Veloso.

2564 letras disponíveis para consulta

(estas letras no seu site...clique aqui!)
 
««« Voltar | Versão de impressão Versão para impressão
 
Rui Veloso - Elegia sanjoanina
Letra de: Carlos Tê
Música de: Rui Veloso
 
foi no ano passado
na noite de são joão
andava o baile animado
e eu todo engatatão

fui parar ao braços dela
no meio da confusão
fitei-a lá bem nos olhos
não mais a larguei da mão

dançamos num rodopio
bebemos vinho e cerveja
acordamos manhã alta
nas traseiras duma igreja

ela disse "estou quilhada
o meu pai vai-me matar"
e eu disse "está descansada
que eu vou lá para o enfentar"

tenho pena, mas sou um teso
nada tenho para te dar
a não ser um lume aceso
para te abrasar

falei-lhe de homem para homem
quais as minhas intenções
eu trabalho e sou honesto
mas sem grandes ambições

ai eu cá para a minha filha
quero alguém que tenha peso
não gastei tanto a criá-la
para a vir casar com um teso

ela é boa na costura
e sabe cozinha francesa
toda ela é finura
bom trato e delicadeza

já ganhou um concurso
do vestido de cheeta
queria você um "sem curso"
levar coisa tão bonita

tenho pena, mas sou um teso
nada tenho para te dar
a não ser um lume aceso
para te abrasar

disseste que eu era demais
quase me chamas-te artista
nas carícias dos portais
mas era tudo fogo de vista

hoje talvez nada te falte
o teu homem é doutor
mas o teu olhar perdeu
daquela noite o fulgor

tenho pena mas sou um teso
nada tenho para te dar
a não ser um lume aceso
para te abrasar
 
 
««« Voltar | Versão de impressão Versão para impressão
 
 
Outras letras de: Rui Veloso
• A gente não lê
• A Ilha
• A origem do mal
• A Rapariguinha do shopping
• Afurada
• Ai quem me dera a mim rolar contigo num palheiro
• Arménio (o trolha da Areosa)
• As regras da sensatez
• Avenidas
• Baile da paróquia
• Bairro do Oriente
• Balada da Fiandeira
• Caminhando até ti
• Cavaleiro andante
• Chico fininho
• Corações periféricos
• Do meu vagar
• Donzela diesel
• Elegia sanjoanina
• Estrela de Rock and Roll
• Fado do ladrão enamorado
• Fio de beque
• Inimiga de classe
• Já não há canções de amor
• Lado lunar
• Não há estrelas no céu
• No domingo fui às antas
• O prometido é devido
• O que eu quero ser quando for grande
• Paixão
• Porto Côvo
• Porto sentido
• Saíu para a rua
• Sei de uma camponesa
• Todo o tempo do mundo
• Um café e um bagaço

 
 
Não medram as galinhas onde a raposa mora.


 

 

© 2003-2024 Cantos da Terra - Todos os direitos reservados.
15828785 páginas visitadas - 71 visitantes ligados
Contacte-nos