Cantos da Terra - Tradições portuguesas.
Personagens carismáticos da história de Portugal
Listagem simples
Listagem com fotografia

20 Personagens + lidos
20 Personagens - lidos

O seu donativo ajuda-nos a manter as tradições portuguesas online
Um espaço de consulta gratuita há mais de 18 anos.
Clique para ligar rádio
- Poderá continuar a navegar.

 
 • Letras de: Hugo Maia de Loureiro.

2564 letras disponíveis para consulta

(estas letras no seu site...clique aqui!)
 
««« Voltar | Versão de impressão Versão para impressão
 
Hugo Maia de Loureiro - Crónica de um dia
Letra de: Fernando Guerra
Música de: Fernando Guerra e Hugo Maia de Loureiro
 
é nos olhos que desponta o dia
é nas mãos que abres a manhã
dantes nas veias corriam
noites sem ninguém
é diferente o novo dia
que o teu corpo tem
abraçado ao sol
que traz manhã
nos cabelos alonga-se o dia
é de luz que a tua boca arde
dantes as mãos eram frias
fabricavam tartes
hoje inventas outras horas
onde já não esperas
pelo sol que guardas e demoras
pela crónica de um dia
vens dizer amanhecer
não há noite de alegria
dia triste que morreu
tardes que trespasso
descansando em teus cansaços
tardes que trespasso
descansando em teus cansaços
é no corpo que acaba o dia
é na pele que morre o frio da rua
dantes as mãos eram frias
abraçadas às artes
hoje a noite era aquecida
nas palavras mágoa
que nos lembram amanhã o dia
pela crónica de um dia
vens dizer amanhecer
não há noite de alegria
dia triste que morreu
tardes que trespasso
descansando em teus cansaços
pela crónica de um dia
vens dizer amanhecer
não há noite de alegria
dia triste que morreu
tardes que trespasso
descansando em teus cansaços
 
 
««« Voltar | Versão de impressão Versão para impressão
 
 
Outras letras de: Hugo Maia de Loureiro
• Canção de Madrugar
• Crónica de um dia

 
 
Quem compra barato, compra duas vezes.


 

 

© 2003-2024 Cantos da Terra - Todos os direitos reservados.
15764645 páginas visitadas - 141 visitantes ligados
Contacte-nos