Cantos da Terra - Tradições portuguesas.
Personagens carismáticos da história de Portugal
Listagem simples
Listagem com fotografia

20 Personagens + lidos
20 Personagens - lidos

O seu donativo ajuda-nos a manter as tradições portuguesas online
Um espaço de consulta gratuita há mais de 18 anos.
Clique para ligar rádio
- Poderá continuar a navegar.

 
 • Letras de: Popular Região indefenida.

2564 letras disponíveis para consulta

(estas letras no seu site...clique aqui!)
 
««« Voltar | Versão de impressão Versão para impressão
 
Popular Região indefenida - Chula da Maia
Letra de: Popular
Música de: Popular
 
eu hei-de te amar, amar,
hei-de te querer, querer.
hei-de te tirar de casa
sem teu pai nem mãe saber.

silva verde não me prendas,
olha que me não seguras;
olha que tenho quebrado
outras algemas mais duras.

uma silva me prendeu,
uma silva pequenina.
não há coisa que mais prenda
que os olhos duma menina.

a silva que me prendeu
arrebentou no valado;
nunca a silva me prendeu
com tão forte cadeado.

há silvas que dão amoras,
há outras que não as dão;
há amores que são firmes,
há outros o não são.

silva verde picosinha
ao arcipreste se enleia;
meu amor se me prenderes,
deixa-me larga a cadeia.

cheguei à borda do rio,
silva verde é meu encosto.
que importa que o mundo fale
se o meu amor é do meu gosto ?

salsa verde combatida
ao pé do manjericão;
bem podemos ser amantes,
mas sempre dizer que não.

a salsa do meu quintal
arrebenta pelo pé
assim arrebenta a boca
a quem diz o que não é.

entre pedras e pedrinhas
nascem raminhos de salsa;
pega-te à feia que é firme
deixa a bonita que é falsa.

a salsa que está no rio
de verde se está revendo;
eu como firme te adoro,
tu falsa me estás vendendo.

debaixo da oliveira,
menina, é que é o amar;
tem a folha miudinha,
não entra lá o luar.

se a oliveira falasse
ela diria o que viu:
debaixo da sua sombra,
dois amantes encobriu.

daquela janela alta
me atiraram um limão.
a casca me deu no peito,
o sumo no coração.

deitei um limão correndo
à tua porta parou.
quando um limão tem amores,
que fará quem o deitou ?

alecrim à borda d´água
de longe faz aparência;
muitos amores se perdem
pela pouca inteligência.

oh meu cravo almirante,
onde é que perdeste o cheiro ?
perdi-o na tua cama
na renda do travesseiro.

corações que estão unidos
não temem a dura sorte;
suceda o que suceder
são fiéis até à morte.

se pensas que por ti morro
enganas teu coração.
olha que nunca gostei
da fruta que cai no chão.

caneiro do rio d´ave
deixa-me ver os peixinhos.
quem namora às escondidas
dá abraços e beijinhos.
 
 
««« Voltar | Versão de impressão Versão para impressão
 
 
Outras letras de: Popular Região indefenida
• A favorita
• A galinha
• A machadinha
• A Margarida
• A moda da Rita
• A nau Catrineta
• A plaina
• A velha
• Adeus, ó senhor meu amo
• Adeus, senhor Padre Amâncio
• Agarrei o passarinho
• Agora vou-m´eu cantar
• Água leva o regadinho
• Ai de mim que já não posso
• Ai morena
• Ai, la-ri-lá!
• Alecrim
• Alevanta-te põe o lenço
• Amores do Douro
• Ando triste como a noite
• Antoninho, pede, pede
• As três galinhas
• Assubi ao penedinho
• Atirei o pau ao gato
• Bailado do Zé
• Beijai o menino
• Cana verde
• Cana verde da Maia
• Canta Camarada
• Cantiga da Ceifa
• Cantiga de Reis
• Cantiga de Roda
• Carbonárias (Final)
• Carrasquinha
• Catedral De Lisboa
• Chamaste-me Extravagante
• Chegou e Bateu
• Chula
• Chula da Maia
• Chula de Amarante

 
 
Como fizeres, assim acharás.

Programação da rádio


 

 

© 2003-2022 Cantos da Terra - Todos os direitos reservados.
13602862 páginas visitadas - 56 visitantes ligados
Contacte-nos