Cantos da Terra - Tradições portuguesas.
Personagens carismáticos da história de Portugal
Listagem simples
Listagem com fotografia

20 Personagens + lidos
20 Personagens - lidos

O seu donativo ajuda-nos a manter as tradições portuguesas online
Um espaço de consulta gratuita há mais de 18 anos.
Clique para ligar rádio
- Poderá continuar a navegar.

 
 • Letras de: Alfredo Marceneiro.

2564 letras disponíveis para consulta

(estas letras no seu site...clique aqui!)
 
««« Voltar | Versão de impressão Versão para impressão
 
Alfredo Marceneiro - Amor é água que corre
Letra de: Augusto de Sousa
Música de: Alfredo Marceneiro
 
amor é água que corre
tudo passa, tudo morre
que me importa a mim morrer
adeus cabeçita louca
hei-de esquecer tua boca
na boca d´outra mulher

amor é sonho, é encanto
queixa, mágoa, riso ou pranto
que duns lindos olhos jorre
mas tem curta duração
nas fontes da ilusão
amor é água que corre

amor é triste lamento
que levado p´lo vento
ao longe se vai perder
e assim se foi tua jura
se já não tenho ventura
que me importa a mim morrer

foi efémero o desejo
do teu coração que vejo
no bulício se treslouca
onde nascer a indiferença
há-de morrer minha crença
adeus cabeçita louca

tudo é vário neste mundo
mesmo o amor mais profundo
de dia a dia se apouca
segue a estrada degradante
que na boca d´outra amante
hei-de esquecer tua boca

hei-de esquecer teu amor
o teu corpo encantador
que minha alma já não quer
hei-de apagar a paixão
que me queima o coração
na boca d´outra mulher
 
 
««« Voltar | Versão de impressão Versão para impressão
 
 
Outras letras de: Alfredo Marceneiro
• A Casa da Mariquinhas
• Amor de mãe
• Amor é água que corre
• Bairros de Lisboa
• Bêbado pintor
• Cabaré
• Conceito
• Depois do Leilão
• Despedida
• Fado bailado
• Fado cravo
• Fado da balada
• Já sabem da Mariquinhas
• Janela da vida
• Laranjeira florida
• Lembro-me de ti
• Menina do mirante
• Mocita dos caracois
• O Leilão da Mariquinhas
• O louco
• O Marceneiro
• O pagem
• O Pierrot
• O remorso
• O Testamento da Mariquinhas
• Tricana
• Viela

 
 
A espada e o anel, segundo a mão em que estiverem.


 

 

© 2003-2024 Cantos da Terra - Todos os direitos reservados.
15848125 páginas visitadas - 73 visitantes ligados
Contacte-nos