Cantos da Terra - Tradições portuguesas.
Personagens carismáticos da história de Portugal
Listagem simples
Listagem com fotografia

20 Personagens + lidos
20 Personagens - lidos

O seu donativo ajuda-nos a manter as tradições portuguesas online
Um espaço de consulta gratuita há mais de 18 anos.
Clique para ligar rádio
- Poderá continuar a navegar.

 
 • Letras de: José Afonso (Zeca).

2564 letras disponíveis para consulta

(estas letras no seu site...clique aqui!)
 
««« Voltar | Versão de impressão Versão para impressão
 
José Afonso (Zeca) - Viva o poder popular
Letra de: José Afonso
Música de: José Afonso
 
não há velório nem morto
nem círios para queimar
quando isto der prò torto
não te ponhas a cavar

quando isto der prò torto
lembra-te cá do colega
não tenhas medo da morte
que daqui ninguém arreda

se a cap é filha do facho
e o facho é filho da mãe
o map é filho do portas
do barreto e mais alguém

às aranhas anda o rico
transformado em democrata
às aranhas anda o pobre
sem saber quem o maltrata

às aranhas te vi hoje
soldado, na casamata
militares colonialistas
entram já na tua casa

vinho velho vinho novo
tudo a terra pode dar
dêm as pipas ao povo
só ele as sabe guardar

vem cá abaixo ó aleixo
vem partir o fundo ao tacho
quanto mais lhe vejo o fundo
mais pluralista o acho

os barões da vida boa
vão de manobra em manobra
visitar as capelinhas
vender pomada da cobra

a palavra socialismo
como está hoje mudada
de colarinho a texas
sempre muito aperaltada

sempre muito aperaltada
fazendo o v da vitória
para enganar o proleta
hás-de vir comigo a glória

o willy brandt é macaco
o giscard é macacão
o capital parte o coco
só não ri a emigração

de caciques e de bufos
mandei fazer um sacrário
para por no travesseiro
dum cura reaccionário

não sei quem seja de acordo
como vamos terminar
vinho velho vinho novo
viva o poder popular
 
 
««« Voltar | Versão de impressão Versão para impressão
 
 
Outras letras de: José Afonso (Zeca)
•  Qualquer Dia
• A acupunctura em Odmira
• A Cidade
• A formiga no carreiro
• A Morte saiu à rua
• A Mulher da Erva
• A presença das formigas
• Achégate a Mim, Maruxa
• Adeus Ó Serra da Lapa
• Agora
• Ailé Ailé
• Ailé! Ailé!
• Alegria da Criação
• Ali está o rio
• Alípio de Freitas
• Altinho
• Altos Castelos
• Amor de Estudante
• Arcebispada
• As noivas dos bilros
• As Pombas
• As Sete Mulheres do Minho
• Avenida de Angola
• Bailia
• Balada Aleixo
• Balada do Outono
• Balada do sino
• Benditos
• Canção da paciência
• Canção de embalar
• Canção do Desterro (Emigrantes)
• Canção do Mar
• Canção do Vai... e Vem
• Canção Longe
• Canta Camarada
• Canta o Colie
• Canta o juiz
• Cantar alentejano
• Cantares de Andarilho
• Cantiga do Monte

 
 
A verdade é como o azeite: Vem sempre ao de cima.


 

 

© 2003-2024 Cantos da Terra - Todos os direitos reservados.
15645884 páginas visitadas - 70 visitantes ligados
Contacte-nos