Cantos da Terra - Tradições portuguesas.
Personagens carismáticos da história de Portugal
Listagem simples
Listagem com fotografia

20 Personagens + lidos
20 Personagens - lidos

O seu donativo ajuda-nos a manter as tradições portuguesas online
Um espaço de consulta gratuita há mais de 18 anos.
Clique para ligar rádio
- Poderá continuar a navegar.

 
 • Letras de: Vitorino.

2564 letras disponíveis para consulta

(estas letras no seu site...clique aqui!)
 
««« Voltar | Versão de impressão Versão para impressão
 
Vitorino - Adeus Fado Pessoa
Letra de: Fernando Pessoa
Música de: Vitorino
 
o tempo que hei sonhado
quantos anos foi de vida!
ah, quanto do meu passado
foi só a vida mentida
de um futuro imaginado!

aqui à beira do rio
sossego sem ter razão.
este seu correr vazio
figura, anónimo e frio,
a vida vivida em vão.

a´sp´rança que pouco alcança!
que desejo vale o ensejo?
e uma bola de criança
sobe mais que a minha ´sp´rança
rola mais que o meu desejo

ondas do rio, tão leves
que não sois ondas sequer,
horas, dias, anos, breves
passam - verduras ou neves
que o mesmo sol faz morrer,

gastei tudo que não tinha.
sou mais velho do que sou,
a ilusão, que em mantinha,
só no palco era rainha:
despiu-se, e o reino acabou.

leve som das águas lentas
gulosas da margem ida,
que lembranças sonolentas
de esperanças nevoentas!
que sonhos o sonho e a vida!

som morto das águas mansas
que correm por ter que ser,
leva não só as lembranças,
mas as mortas esperanças -
mortas, porque hão-de
morrer.

ondas passadas, levai-me
para o olvido do mar!
ao que não serei legai-me
que cerquei com um andaime
a casa por fabricar.
 
 
««« Voltar | Versão de impressão Versão para impressão
 
 
Outras letras de: Vitorino
• A Primavera do Outono
• Abertura e Saias da Vila do Redondo
• Adeus Fado Pessoa
• Ai Os Modos De Ser Lágrima
• Alcácer Quibir
• Alentejo És Nossa Terra
• Ana I (Homenagem a Jorge Sena)
• Ana II (Homenagem a Jorge Sena)
• Andando Pela Vida
• Andorinha Negra
• Aos Amigos
• Aos Maridos
• Barbara Rosinha
• Barrancos És Minha Terra
• Bolero do Coronel Sensível Que Fez Amor em Monsanto
• Borboleta
• Branco
• Canção Para A Minha Filha Isabel Adormecer Quando Tiver Medo Do Escuro
• Cantares Do Mês D´Outubro
• Cante Cigano
• Cantiga da Ceifa
• Cantiga de Amigo
• Cantiga de Reis
• Cantiga de Roda
• Cantiga de Uma Greve de Verão
• Cantiga Dum Marginal do Século XIX
• Cantiga Partindo-se
• Carbonárias (Final)
• Cervejaria da Trindade
• Chamaste-me Extravagante
• Confissões (Nunca Fui Além)
• Contos Do Principe Real
• Cruel Vento
• Dá-me Cá Os Braços Teus
• Diz a laranja ao limão
• Dizem Praí Que Chegou
• Do Outro Lado do Tejo
• Dona Filomena
• E Se Eu Não Te Amar Mais
• Em 25 de Março

 
 
Quem confessa a verdade, não merece castigo.


 

 

© 2003-2024 Cantos da Terra - Todos os direitos reservados.
15839011 páginas visitadas - 176 visitantes ligados
Contacte-nos