Cantos da Terra - Tradições portuguesas.
Personagens carismáticos da história de Portugal
Listagem simples
Listagem com fotografia

20 Personagens + lidos
20 Personagens - lidos

O seu donativo ajuda-nos a manter as tradições portuguesas online
Um espaço de consulta gratuita há mais de 18 anos.
Clique para ligar rádio
- Poderá continuar a navegar.

 
 • Letras de: Popular Região indefenida.

2564 letras disponíveis para consulta

(estas letras no seu site...clique aqui!)
 
««« Voltar | Versão de impressão Versão para impressão
 
Popular Região indefenida - A nau Catrineta
Letra de: Popular
Música de: Popular
 
lá vem a nau catrineta,
que tem muito que contar!
ouvide, agora, senhores,
uma história de pasmar."

passava mais de ano e dia,
que iam na volta do mar.
já não tinham que comer,
nem tão pouco que manjar.

já mataram o seu galo,
que tinham para cantar.
já mataram o seu cão,
que tinham para ladrar."

"já não tinham que comer,
nem tão pouco que manjar.
deitaram sola de molho,
para o outro dia jantar.
mas a sola era tão rija,
que a não puderam tragar."

"deitaram sortes ao fundo,
qual se havia de matar.
logo a sorte foi cair
no capitão general"

- "sobe, sobe, marujinho,
àquele mastro real,
vê se vês terras de espanha,
ou praias de portugal."

- "não vejo terras de espanha,
nem praias de portugal.
vejo sete espadas nuas,
que estão para te matar."

- "acima, acima, gajeiro,
acima ao tope real!
olha se vês minhas terras,
ou reinos de portugal."

- "alvíssaras, senhor alvissaras,
meu capitão general!
que eu já vejo tuas terras,
e reinos de portugal.
se não nos faltar o vento,
a terra iremos jantar.

lá vejo muitas ribeiras,
lavadeiras a lavar;
vejo muito forno aceso,
padeiras a padejar,
e vejo muitos açougues,
carniceiros a matar.

também vejo três meninas,
debaixo de um laranjal.
uma sentada a coser,
outra na roca a fiar,
a mais formosa de todas,
está no meio a chorar."

- "todas três são minhas filhas,
oh! quem mas dera abraçar!
a mais formosa de todas
contigo a hei-de casar"

- "a vossa filha não quero,
que vos custou a criar.
que eu tenho mulher em frança,
filhinhos de sustentar.
quero a nau catrineta,
para nela navegar."

- "a nau catrineta, amigo,
eu não te posso dar;
assim que chegar a terra,
logo ela vai a queimar.
- "dou-te o meu cavalo branco,
que nunca houve outro igual."

- "guardai o vosso cavalo,
que vos custou a ensinar."
- "dar-te-ei tanto dinheiro
que o não possas contar"
- "não quero o vosso dinheiro
pois vos custou a ganhar.
quero a nau catrineta,
para nela navegar.
que assim como escapou desta,
doutra ainda há-de escapar"
lá vai a nau catrineta,
leva muito que contar.
estava a noite a cair,
e ela em terra a varar.
 
 
««« Voltar | Versão de impressão Versão para impressão
 
 
Outras letras de: Popular Região indefenida
• A favorita
• A galinha
• A machadinha
• A Margarida
• A moda da Rita
• A nau Catrineta
• A plaina
• A velha
• Adeus, ó senhor meu amo
• Adeus, senhor Padre Amâncio
• Agarrei o passarinho
• Agora vou-m´eu cantar
• Água leva o regadinho
• Ai de mim que já não posso
• Ai morena
• Ai, la-ri-lá!
• Alecrim
• Alevanta-te põe o lenço
• Amores do Douro
• Ando triste como a noite
• Antoninho, pede, pede
• As três galinhas
• Assubi ao penedinho
• Atirei o pau ao gato
• Bailado do Zé
• Beijai o menino
• Cana verde
• Cana verde da Maia
• Canta Camarada
• Cantiga da Ceifa
• Cantiga de Reis
• Cantiga de Roda
• Carbonárias (Final)
• Carrasquinha
• Catedral De Lisboa
• Chamaste-me Extravagante
• Chegou e Bateu
• Chula
• Chula da Maia
• Chula de Amarante

 
 
Para mal que hoje acaba, não é remédio o de amanhã.

Programação da rádio


 

 

© 2003-2022 Cantos da Terra - Todos os direitos reservados.
13471420 páginas visitadas - 50 visitantes ligados
Contacte-nos