• Personagem: Rafael Bordalo Pinheiro
 

Rafael Bordalo Pinheiro

Pintor, caricaturista a escultor contemporâneo.
Nasceu em 1846; é filho de Manuel Maria Bordalo Pinheiro.

Começou o estudo do desenho com seu pai, e depois de ter pintado quadros que chamaram a atenção sobre o artista, trocou o pincel pelo lápis, tornando-se um dos mais espirituosos e delicados caricaturistas, rivalizando com a maior parte dos estrangeiros, se os não excede sob muitos pontos de vista.

0 seu primeiro grande sucesso foi com a Lanterna magica, a que pertenciam Guerra Junqueiro, Guilherme de Azevedo e Lino de Andrade. Em 1871 publicou um álbum de caricaturas de homens notáveis, com o título de Calcanhar de Achilles. Criou em seguida, ainda neste ano, o Binoculo, que foi o primeiro jornal que se vendeu dentro dos teatros, e de que saíram apenas quatro números.

Ainda em 1871 apareceu o Mappa de Portugal, de que se venderam 4.000 exemplares em um mês. Publicou em 1870 a Berlinda, album humoristico ao correr da penna. Oferecendo-se-lhe do Rio de Janeiro a direcção do jornal 0 mosquito, aceitou o encargo, e partiu para o Brasil, onde mais tarde fundou outro jornal humorístico, 0 besouro.

Regressando a Lisboa criou o Antonio Maria, que obteve grande sucesso artístico, seguindo-se Os pontos nos ii, jornal que alcançou também importante aceitação. Ultimamente, a sua verve inesgotável de caricaturista tem embelezado as páginas do jocoso semanário A parodia.

Na exposição de Paris de 1889 foi Bordalo Pinheiro quem dirigiu a construção do pavilhão português agrupando ali os nossos produtos com mão de mestre, expondo as suas lindíssimas faianças das Caldas da Rainha, conseguindo tornar-se admirado naquele grande centro.

Os mais conhecidos decoradores, pintores a aguarelistas franceses lhe foram apresentados, os jornais teceram-lhe elogios. Bordalo Pinheiro fundou nas Caldas da Rainha uma fábrica de louça, em que a sua individualidade artística ainda mais se tem evidenciado.

Acerca da fundação desta fábrica publicou o Sr. Ramalho Ortigão um artigo no Occidente de 1886, vol. IX, a pág. 58. A industria da bem conhecida louça das Caldas estava em grande decadência, e foi Bordalo Pinheiro quem lhe deu novo relevo, aperfeiçoando-a notavelmente com o seu génio imaginoso e artístico, conseguindo fazer obras de arte de grande valor.

Na louça nova das Caldas todos os motivos decorativos são tirados da fauna e da flora local ou dos utensílios domésticos do povo. 0 tipo da maior parte do vasilhame sai igualmente de modelos tradicionais preexistentes, como a bilha de Coimbra e a bilha da Maia, o pichel de Redondo, o moringue de Estremoz, etc. Dos trabalhos de elevado mérito e perfeição que Bordalo Pinheiro tem obtido daquela louça, conta-se a Jarra «Beethoven», obra de arte que esteve algum tempo exposta à admiração do público, sendo depois remetida para o Brasil.

Em 1903 a Associação dos Jornalistas ofereceu ao distinto artista um álbum em que colaboraram muitos dos mais entusiastas admiradores do seu talento privilegiado.

Bordalo Pinheiro colaborou na Illustración de Madrid, a na Illustración española y americana. No ano de 1873 começou também a aparecer o seu nome na Illustrated London News. Rafael Bordalo tem um filho, o Sr. Manuel Gustavo, que é também caricaturista apreciável e professor de desenho na escola «Rodrigues Sampaio.»

 
 
««« Voltar
 
 

 

© 2003-2019 Canto da Terra - Todos os direitos reservados.
Desenhado para IE 5.x - Resolução mínima: 1024x768.
10599182 páginas visitadas - 60 visitantes ligados
Contacte-nos