• Personagem: D. Constantino de Bragança
 

D. Constantino de Bragança

7.º vice-rei da Índia.

Nasceu em. 1528, faleceu a 14 de Junho de 1575. Era filho do 4.º duque de Bragança, D. Jaime I, e de sua mulher, a duquesa D. Leonor de Mendonça, filha de D. João de Gusmão, 3.º duque de Medina Sidónia, e de D. Isabel de Velasco.

D. Constantino não tinha ainda 20 anos, quando foi como embaixador a França, representar o rei D. João III no baptismo dum filho de Henrique II. Sendo regente a rainha D. Catarina, na menoridade de seu neto, o rei D. Sebastião, foi nomeado governador da Índia, com o título de vice-rei, em marco de 1558.

D. Constantino saiu de Lisboa em 7 de Abril de 1558 com quatro naus, de que eram capitães: da Garça, o vice-rei; da Rainha, Aleixo Chichorro, vedor da fazenda; da Tigre, Peixoto da Silva; e da Castelo, Jerónimo de Melo.

A armada chegou a Goa a 3 de Setembro. Pensando na conquista de Damão, pôs-se à frente duma poderosa armada de cem velas, e largou a barra de Goa em 2 de Fevereiro de 1553. Esperava forte resistência, mas afinal pôde tornar aquela praça sem maiores dificuldades, porque os seus defensores, desorientados por um invencível terror, abandonaram a fortaleza.

D. Constantino entrou então na cidade em triunfo, conseguindo apossar-se de Damão, sem que se derramasse sangue algum. Ao capitão de Cananor, que pelo seu procedimento déspota e orgulhoso fez acender a guerra com o rajá, mandou D. Constantino vários reforços, e havendo o comandante de um destes atendido mais ao que lhe ditava o seu próprio valor do que às ordens que tinha, o vice-rei prendeu-o em satisfação e disciplina, e em particular o felicitou pelas acções que praticara.

Nesse ano teve de atender a Ormuz, que era constantemente ameaçada pelos turcos, e onde nem sempre os nossos soldados conservavam a necessária disciplina, e logo no ano seguinte puniu também severamente os capitães de duas frotas, que no mar Roxo se haviam comportado mal, dando sinais de pouca bravura e intrepidez. Castigou e destruiu o rei de Jafanapatão, e lhe tomou um dente de bugio, que os chingalás e pegus adoravam, e pelo qual o rei de Pegú lhe dava 300.000 pardaos, mas porque era coisa contra a lei de Deus, o mandou queimar diante de si e dos embaixadores, depois de feito em pó num almofariz.

Tomou Ceilão e depois a ilha de Manar, na qual mandou construir uma fortaleza. 0 seu governo durou três anos e oito dias. Durante este tempo, restabeleceu a ordem nas finanças, e realizou importantes reformas na administração do Estado.

A 7 de Abril de 1561 embarcou D. Constantino de Bragança para o reino. Como fora muito severo reprimindo os abusos dos seus subordinados, não deixou de ser vítima de intrigas que muito o desgostaram. Essas intrigas deram em resultado que à sua chegada a Lisboa, os oficiais do fisco revistassem cuidadosamente a nau que o conduzira. Encontrando algumas pedras preciosas, mas em pequena quantidade, inundaram restituir-lhas depois do prévio pagamento dos direitos.

D. Constantino, porém, ofendido, respondeu tranquilamente, que se o rei de Portugal exigia direitos por tão pequena porção de pedras que ele trazia como da sua estada no Oriente, era porque decerto estava muito precisado de dinheiro, e então tinha muito gosto em lhe oferecer não os direitos, mas as próprias pedras.

D. Constantino, enquanto esteve na Índia, protegeu muito Luís de Camões. Foi D. Luís de Ataíde quem lhe sucedeu naquele governo, e a quem D. Sebastião disse que governasse tão bem, como o fizera D. Constantino. Este monarca, em 1571, insistiu para que o antigo vice-rei voltasse à Índia, oferecendo-lhe então o governo por toda a vida e um título, mas D. Constantino não aceitou. Casou este ilustre fidalgo com sua prima D. Maria de Melo, filha do 1.º marquês de Ferreira, D. Rodrigo de Melo.

 
 
««« Voltar
 
 

 

© 2003-2018 Canto da Terra - Todos os direitos reservados.
Desenhado para IE 5.x - Resolução mínima: 1024x768.
10003408 páginas visitadas - 87 visitantes ligados
Contacte-nos