• Personagem: D. Isabel
 

D. Isabel

Imperatriz da Alemanha.

Nasceu em Lisboa a 24 de Outubro de 1503, fal. em Toledo em 1539. Era filha do rei D. Manuel e da rainha D. Maria, sua segunda mulher.

Contava 22 anos quando casou com o imperador Carlos V, que por ela se apaixonara. Este casamento foi recomendado por el-rei D. Manuel, em codicilo feito a 11 de Dezembro de 1521.

A recomendação do monarca cumpriu-se, e a 6 de Outubro de 1525 firmou-se em Torres Novas o contrato de casamento da infanta D. Isabel com o imperador Carlos V, o monarca mais poderoso, que então dominava na Alemanha e na Espanha, estendendo a influencia da sua politica e o poder das suas armas ao mundo inteiro.

0 contrato confirmou-se por procuração, em Almeirim, a 1 de Novembro do referido ano, sendo Carlos V representado pelo seu embaixador Carlos Popeto. Houve grandes festas em Almeirim, que duraram até ao fim do anuo.

A novel imperatriz seguiu em Janeiro de 1526 para Elvas com grande comitiva, fazendo a viagem em liteira até à raia; depois montou numa linda faca branca, e com luzido acompanhamento foi ao encontro da embaixada que a vinha buscar da parte do imperador, e que se compunha do duque de Calabria, duque de Béjar e arcebispo de Toledo.

Celebraram-se as bodas com grande magnificência em Sevilha em 1 de Março de 1526 Carlos V deu por divisa a sua mulher as três graças, tendo uma delas uma rosa, símbolo da formosura de D. Isabel; outra um ramo de murta, símbolo do amor; e a terceira uma coroa de carvalho, símbolo da fecundidade, e este mote: Has habet et superat.

D. Isabel recebera, em dote 900.000 cruzados, quantia importantíssima naquela, época. Enquanto Carlos V corria o mundo, procurando saciar a sua ambição incomensurável, residia ela em Toledo, sem se ocupar das coisas da política, sem fausto, quase sempre no seu oratório rezando, ou junto das amas dos seus numerosos filhos.

Os seus muitos partos ocasionaram-lhe a morte, e ficou sepultada em Granada. Diz-se que o imperador tanto se apaixonou pela perda de sua esposa, que ainda no convento de S. Justo, onde se recolheu, passava horas a contemplar o retrato que da formosa filha de D. Manuel fizera o pintor Ticiano.

 
 
««« Voltar
 
 

 

© 2003-2017 Canto da Terra - Todos os direitos reservados.
Desenhado para IE 5.x - Resolução mínima: 1024x768.
9565164 páginas visitadas - 278 visitantes ligados
Contacte-nos