• Letras de: Amália Rodrigues.

2564 letras disponíveis para consulta

(estas letras no seu site...clique aqui!)
««« Voltar | Versão de impressão Versão para impressão
 
Amália Rodrigues - Vou dar de beber à dor
Letra de: Alberto Janes
Música de: Alberto Janes
 
foi no domingo passado que passei
à casa onde vivia a mariquinhas,
mas está tudo tão mudado
que não vi em nenhum lado
as tais janelas que tinham tabuinhas.
do rés-do-chão ao telhado
não vi nada, nada, nada
que pudesse recordar-me a mariquinhas,
e há um vidro pregado e azulado
onde havia as tabuinhas.

entrei e onde era a sala agora está
à secretária um sujeito que é lingrinhas,
mas não vi colchas com barra
nem viola, nem guitarra,
nem espreitadelas furtivas das vizinhas.
o tempo cravou a garra
na alma daquela casa
onde às vezes petiscavamos sardinhas
quando em noites de guitarra e de farra
estava alegre a mariquinhas.

as janelas tão garridas que ficavam
com cortinados de chita às pintinhas
perderam de todo a graça
porque é hoje uma vidraça
com cercadura de lata às voltinhas.
e lá p´ra dentro quem passa
hoje é p´ra ir aos penhores
entregar ao usurário umas coisinhas,
pois chega a esta desgraça toda a graça
da casa da mariquinhas.

p´ra terem feito da casa o que fizeram
melhor fora que a mandassem p´rás alminhas,
pois ser casa de penhores
o que foi viveiro d´amores
é ideia que não cabe cá nas minhas.
recordações do calor
e das saudades. o gosto
que eu vou procurar esquecer
numas ginginhas,
pois dar de beber à dor é o melhor,
já dizia a mariquinhas.
 
 
««« Voltar | Versão de impressão Versão para impressão
 
 
Outras letras de: Amália Rodrigues
•  Prece
• A Minha Terra é Viana
• Abril
• Água e mel
• Ai, Mouraria
• Alfama
• Amêndoa Amarga
• Amor sem Casa
• As Facas
• Avé Maria fadista
• Barco negro
• Cansaço
• Cheira a Lisboa
• Com que voz
• Dura Memória
• É da Torre Mais Alta
• Estranha forma de vida
• Fado do Ciúme
• Fado Malhoa
• Fado português
• Fado Xuxu
• Gaivota
• Gondarém
• Grito
• Há festa na Mouraria
• Havemos de ir a Viana
• Hortelã Mourisca
• Libertação
• Lisboa Antiga
• Longe Daqui
• Madrugada de Alfama
• Maria Lisboa
• Medo (Quem dorme à noite comigo?)
• Meu Amigo Está Longe
• Meu Amor é Marinheiro
• Meu amor, meu amor
• Minha Boca não se Atreve
• Não é desgraça ser pobre
• Nem às paredes confesso
• O Malaventurado

 
 

 

© 2003-2017 Canto da Terra - Todos os direitos reservados.
Desenhado para IE 5.x - Resolução mínima: 1024x768.
9566446 páginas visitadas - 298 visitantes ligados
Contacte-nos