• Castelo da Lousã (Castelo de Arouce)
 

Castelo da Lousã (Castelo de Arouce)
Lousã - Coimbra

Data de 943 um contrato realizado entre Zuleima Abaiud e o Abade Mestúlio do Mosteiro de Lorvão onde, pela primeira vez, nos aparece o topónimo ARAUZ, que designa a povoação mais importante dessa altura em toda a região, e que se localizava junto ao morro onde se levantaria, mais tarde, o Castelo de Arouce. O nome do contratante deixa entender que se tratava de um moçárabe, um cristão a viver no "mundo muçulmano", do qual adoptara grande parte da maneira de ser e até do próprio nome. Lembremos que Coimbra era, nesse tempo, bem como seria ainda nos dois séculos seguintes, um importantíssimo centro moçárabe, com uma cultura viva e uma actividade económica bem mais desenvolvida que a das outras povoações a norte do actual território português.



Se o castelo já existia no tempo da dominação muçulmana é algo que não podemos garantir, só havendo em apoio dessa teoria a tradição popular, uma bela e curiosa lenda, mas não menos inverosímil.



A lenda da origem da Lousã faz-nos viajar até ao tempo longínquo da dominação muçulmana, quando um rei ou um emir de nome Arunce teria fundado o castelo para proteger a sua bela filha Peralta, enquanto ele se encontrasse em campanha no Norte de África ou aí se deslocasse, a buscar reforços contra as tropas cristãs que, mais e mais, faziam cerco às terras maometanas. Seria em memória deste fantástico rei que o castelo e povoação se passaram a chamar Arouce.



Sem dúvida que a fundação do castelo ou, pelo menos, profunda reforma deste, se deve ao alvazil D. Sesnando, o moçárabe de Tentúgal educado em Córdova, o companheiro do Cid Campeador, que Fernando Magno colocou à cabeça da região de Coimbra, definitivamente reconquistada em 1064.



A ele ficamos a dever, não só a pacificação do território e a sua defesa, mas também e principalmente a sua profunda reorganização, na qual se incluiu a construção ou reconstrução de diversos castelos, como o de Coimbra, e ainda os de Montemor-o-Velho, Penela, Penacova e naturalmente o da Lousã/Arouce.



Com a verdadeira fronteira entre a Cristandade e o Islão no Rio Mondego, até 1147, ano da conquista de Santarém e Lisboa, era natural que o jovem rei tivesse demonstrado grande preocupação em edificar ou reactivar pequenos castelos em lugares-chave como era o da implantação de Arouce. No foral que concedeu a Miranda do Corvo, no ano de 1136, já alude claramente à existência do castelo de Arouce, a que o fundador da Nacionalidade dará também carta de foral algum tempo depois, concretamente em 1151.



Porém, em 1160, num outro documento régio, já se alude à Lousã independentemente de Arouce, bem como a Vilarinho, o que prova que a bacia lousanense e a escarpa de Arouce com o seu castelo eram realidades bem distintas. Como antes foi referido, com a pacificação de D. Sesnando, aquilo que pensamos ter sido uma vila romana voltou a ter vida própria e atrair as populações que já podiam viver em campo aberto, longe dos muros do castelo.



A Lousã, durante a Idade Média, continuou a prosperar e, como tantas outras terras do reino, viu o seu velho foral confirmado em tempo de governo de D. Afonso II, conjunto de normas, privilégios e deveres que estariam em vigor até aos alvores do Mundo Moderno pois só em 1513 viria a ser revogado com a entrada a 25 de Outubro desse ano, de nova carta dada por D. Manuel I.

 
 
 

 

© 2003-2017 Canto da Terra - Todos os direitos reservados.
Desenhado para IE 5.x - Resolução mínima: 1024x768.
9557568 páginas visitadas - 224 visitantes ligados
Contacte-nos