• Biografia de: Vasco Graça Moura
 

Vasco Graça Moura

Nasceu no Porto a 3 de Janeiro de 1942. É licenciado em Direito pela Universidade de Lisboa.

É autor de obras de ensaio, poesia, romance e ainda de traduções.
Foi Secretário de Estado em dois Governos Provisórios. Tem desempenhado funções directivas na Rádio Televisão Portuguesa, na Imprensa Nacional e na Comissão para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses.

É membro de várias associações de escritores e críticos literários, foi vice-presidente do Pen Club Português e é director da Fundação da Casa de Mateus.
Tem desenvolvido uma ampla intervenção pública como comentador e analista político, para além da colaboração literária, dispersa por vários jornais e revistas. Fez várias traduções em Francês e Italiano.

É Cooperador da SPA desde Maio de 2001.


Distinções/Prémios
. É Oficial da Ordem de Santiago e Espada (Portugal), da Ordem de Rio Branco (Brasil).
. Prémio de Tradução Calouste Gulbenkian, 1979 (Academia de Ciências de Lisboa), 50 Sonetos de Shakespeare; Prémio de Poesia Cidade do Porto, 1982, conjunto da Obra Poética; Prémio Rodrigues Sampaio, 1985, Camões e a Divina Proporção; Prémio Jacinto Prado Coelho, 1986, Camões e a Divina Proporção; Ronda dos Meninos Expostos; Prémio Pen Club de Poesia, 1994, O Concerto Campestre; Prémio Pessoa, 1995, pela tradução de Divina Comédia e da Vita Nuova de Dante, e conjunto da obra; Grande Prémio de Tradução do Pen Club, 1996, atribuído à tradução da Vita Nuova de Dante; Prémio Eça de Queiroz, 1997.

Poesia
. 50 Sonetos de Shakespeare, 1978; Nó Cego, o Regresso, 1982; A Sombra das Figuras, 1985; A Furiosa Paixão pelo Tangível, 1987; O Concerto Campestre, 1993; Uma Carta no Inverno, 1997; Os Sonetos de Walter Benjamin (no prelo).
Ensaio
. David Mourão-Ferreira ou a mestria de Eros, 1978; Camões e a Divina Proporção, 1985; Cristovão Colombo e a Floresta das Asneiras, 1991; Retratos de Isabel e Outras Tentativas, 1994
Ficção
. Quatro Últimas Canções, 1987; Naufrágio de Sepúlveda, 1988; Partida de Sofonisba às Seis e Doze da Manhã, 1993.

 
 
««« Voltar
 
 

 

© 2003-2019 Canto da Terra - Todos os direitos reservados.
Desenhado para IE 5.x - Resolução mínima: 1024x768.
10432238 páginas visitadas - 68 visitantes ligados
Contacte-nos