• Biografia de: António Calvário
 

António Calvário

Nasceu longe, em Moçambique, António Calvário da Paz. Mais precisamente a 17 de Outubro de 1938. Mas para sempre será conhecido como António Calvário, um dos "Reis" da música ligeira portuguesa.

Aos 8 anos António veio viver para Portimão, onde a família fixou residência. Num colégio local fez a instrução primária e o 2° ciclo dos liceus. Entretanto, prossegue as lições de piano que iniciara ainda em Moçambique. Um engano do reitor, que o confundiu com outro aluno, leva-o a cantar numa festa da escola. Acabou por cantar e a sua voz foi um grande êxito. Tinha 15 anos.
Três anos mais tarde, para completar o 3º ciclo liceal, António Calvário ruma a Lisboa. Uma prima-avó, a famosa cantora de revista Corina Freire, encarregou-se da formação musical do jovem familiar. Corina, ao contrário do que pensavam os pais de António Calvário, não lhe dá lições de piano, mas de música e canto.

Em 1957 concorre a uma vaga na exigente Emissora Nacional. Foi apurado à primeira, entre mais de 30 participantes, com a canção Canta Brasil. Começa imediatamente uma carreira de cantor profissional que o conduz à posição de cabeça-de-cartaz.

António Calvário recorda-se que o primeiro cachet que ganhou foi de 50 escudos e que, nos anos da Emissora Nacional, da qual era cantor em regime de quase exclusividade, auferia 500 escudos por actuação nos famosos Serões para Trabalhadores organizados por aquela estação Emissora e pela Federação Nacional para a Alegria no Trabalho (FNAT), uma das principais instituições do Estado Novo.

Depois de uma aclamada passagem pelo 2º Festival da Canção Portuguesa, realizado no Coliseu do Porto em 1960, onde triunfa com o tema Regresso, Calvário transforma-se numa das coqueluches da época.

Não é, pois, de estranhar que, em 1961, Calvário ganhe o seu primeiro título de Rei da Rádio, uma das votações populares mais participadas e um autêntico acontecimento nacional. Viria a repeti-lo em 1963, 1965, 1966 e 1972. Em 1962 obtém o lº Oscar da Imprensa.

1963 é o ano em que o cantor se estreia no teatro. O grande êxito Chapéu Alto
representa o início de uma série de papéis principais em várias revistas,
comédias e operetas, como Lábios Pintados (1964), Zero, Zero, Zé, Ordem para Pagar (1966), Duas Pernas, um Milhão (1967), Esta Lisboa que Eu Amo (1968), Mãos à Obra (1969) e Peço a Palavra (1969).

Se a televisão já contava com a sua presença regular, o cinema iniciava com Calvário um namoro que iria durar muitos anos. O seu primeiro filme, Uma Hora de Amor, onde contracena com Madelena Iglésias, foi realizado por Augusto Fraga em 1964. Outros filmes se seguirão: Rapazes de Táxis (1965), Sarilho de Fraldas (1966) o seu maior êxito, O Amor Desceu em Pára-quedas (1968), todos de Constantino Esteves.

Em 1969 estreou-se como produtor em O Diabo era o Outro, com Milú, Nicolau Breyner e Hermínia Silva. O desastre financeiro do filme provoca-Ihe uma dívida significativa, que pagará com um exaustivo calendário de espectáculos.

Em 1964, António Calvário atingiu um dos momentos mais altos da sua carreira, ao ser o primeiro representante de Portugal no Festival da Canção da Eurovisão, realizado em Copenhaga, Dinamarca. A canção apresentada foi Oração, da autoria de João Nobre, Francisco Nicholson e Rogério Bracinha. Apesar de não ter recebido qualquer voto do júri, mais por motivos de ordem política que por razões de natureza artística, a actuação de António Calvário valeu-lhe uma série de contratos para países tão diversos como Espanha, França, Holanda, Itália, Estados Unidos da América e Canadá, entre outros. Nesse mesmo ano, representa Portugal no lº Festival da Canção Latina, no México. Obtém o 4º lugar - o melhor europeu.

Depois de um longo período de ausência volta à revista, no Teatro ABC, com as revistas Põe-te na Bicha e Direita Volver (ambas de 1978). Da primeira resultará um grande sucesso, o single Mocidade, Mocidade, de Eduardo Damas e Manuel Paião, que será "Disco de Ouro".
Outras revistas se seguirão.

Ao longo da sua carreira gravou mais de 300 discos. Actuou num incontável número de festivais, programas radiofónicos e televisivos, em Portugal e em todo o Mundo.

PRINCIPAIS ÊXITOS:

Regresso, Oração, O Meu Chapéu, Sabor a Sal, Perdão para Nós Dois, Bom Dia, Meu Coração de Madeira, Namorados de Domingo, Hello Dolly, Mocidade Mocidade.

 
 
««« Voltar
 
 

 

© 2003-2017 Canto da Terra - Todos os direitos reservados.
Desenhado para IE 5.x - Resolução mínima: 1024x768.
9557556 páginas visitadas - 217 visitantes ligados
Contacte-nos