• Biografia de: João Domingos Bomtempo
 

João Domingos Bomtempo

O nome do compositor João Domingos Bomtempo é tradicionalmente ligado à música erudita, nomeadamente pela autoria da Missa de Requiem por Camões realizada em França em 1818.

Mas este pianista e maestro que passou parte substancial da sua vida no estrangeiro foi igualmente um dos principais dinamizadores das sociedades filarmónicas.

Nascido em 1775, Bomtempo radicar-se-ia a partir dos 20 anos no estrangeiro (França e Inglaterra) devido às suas actividades políticas e por lá ficaria, com pontuais viagens à sua terra natal, até à vitória do liberalismo.
É nessa altura que lhe é finalmente permitido concretizar o seu sonho da Sociedade Filarmónica, organizada de acordo com o modelo inglês.

A primeira a ser aberta em Portugal, em 1823, estabelece-se no Palácio Cadaval (actual Estação do Rossio), propriedade do duque de Cadaval, patrono aristocrata de Domigos Bomtempo.

Esta sociedade foi de curta duração, dado que a sua vivência no exílio o havia conotado politicamente como liberal. Em funcionamento irregular entre 1822 e 1828 ao sabor das idas e vindas políticas, a Sociedade Filarmónica terminaria com o regresso a Portugal de D. Miguel, lançando o compositor para um período de ocaso, apenas terminado com o regresso em 1833 dos liberais ao poder.

Na sequência, Bomtempo tornar-se-ia o primeiro director do Conservatório Nacional, cargo que ocuparia desde 1835 até à sua morte em 1842.

 
 
««« Voltar
 
 

 

© 2003-2018 Canto da Terra - Todos os direitos reservados.
Desenhado para IE 5.x - Resolução mínima: 1024x768.
9752466 páginas visitadas - 449 visitantes ligados
Contacte-nos